O que é Regressão Terapeutica

A Regressão Terapêutica está referendada no “Livro dos Espíritos”, na questão 399 a respeito do Esquecimento do passado, onde diz: 

“Mergulhando na vida corpórea, perde o Espírito, momentaneamente, a lembrança de suas existências anteriores, como se um véu as cobrisse. Todavia, conserva algumas vezes vaga consciência, e lhe podem ser reveladas. Esta revelação, porém, só os Espíritos superiores espontaneamente lhe fazem, com um fim útil, nunca para satisfazer a vã curiosidade.”

Enquanto “Obreiros da Vida Eterna” anunciava há 50 anos atrás, na palestra do Dr. Barcelos, a chegada da Psicoterapia Reencarnacionista, o “Livro dos Espíritos” anunciava há 150 anos atrás a chegada da Regressão Terapêutica, pioneira na Ética de apenas ser revelado o passado das pessoas a critério dos Mentores Espirituais, sem que o terapeuta induza ou conduza, direcione, o processo e nunca sendo incentivado o reconhecimento de pessoas no passado. 

Muito se tem falado, hoje em dia, sobre esse novo método terapêutico, baseado na revivência de fatos do passado, seja dessa ou de outras encarnações. Cada terapeuta de regressão tem a sua concepção e seus objetivos e existem muitas maneiras de trabalhar com o passado. Não fazemos a pessoa recordar apenas até o final do trauma, isso faz com que ele melhore bastante, mas pode ficar sintonizada aí, nesse ponto. Pelo Método ABPR de regressão, a pessoa regredida recorda desde o fato traumático até o seu final, continua recordando até o seu desencarne, recorda ter subido para o Plano Astral (período inter-vidas), até tudo ter passado e referir estar sentindo-se muito bem (Ponto Ótimo). Ou seja, na nossa Regressão, a pessoa recorda uma encarnação passada e o período inter-vidas subsequente, essa é uma das pérolas do nosso Método, pois as pessoas podem ver como são quando estão encarnadas e quando estão desencarnadas, de volta para Casa. A recordação vai desde o momento inicial de sua recordação até o seu desencarne (a não ser que esse ponto inicial seja quando já estava desencarnada), é incentivada a continuar contando, a sua subida para o Astral, até chegar lá mas isso ainda não é suficiente, pois mesmo lá, ainda sente a dor, a tristeza, a raiva, o medo etc. Então, incentivamos a continuar relatando, até nos mostrar que, lá no período inter-vidas, está melhorando, melhorando, tudo vai passando, aquele medo que sentia, aquela raiva, aquele sentimento de rejeição, aquela solidão, a dor da facada, do tiro etc., até que percebamos que ela recordou que tudo aquilo passou (ressonâncias de quando estava na Terra), que está sentindo-se muito bem, de preferência ótima! Aí dizemos a ela que pode relaxar, que está bem, que vamos aguardar o que seus Mentores querem lhe mostrar mais, algo a mais de quando ela ali estava, ou outra situação do seu passado, ou receber alguma orientação, alguma instrução, algum conselho, aguardamos alguns minutos para termos certeza que está sintonizada no Astral, se notarmos ou ela referir que acessou outra vida passada, a Regressão continua. Se receber uma orientação, uma instrução, ela vai nos contando ou pode guardar para si. Ao final da Sessão, realizamos a Conversa pós-Regressão, que é da maior importância, onde podemos fechar a Sessão com chave de ouro ou estragar tudo.

Uma Regressão é a rememoração do passado onde a pessoa ainda ficou sintonizada (8 possibilidades que serão estudadas mais adiante), e devemos fazê-la rememorar desde o início até quando estava sentindo-se ótima lá no Astral. É fácil fazer isso, é só levar a recordação até o desencarne naquela vida e incentivar a continuação do relato, nos contando o que acontece... após sair do corpo... para onde vai... agora que é um Espírito... o que acontece? Ela pode relatar que ficou na Terra, que ficou flutuando, que foi para o Umbral etc. Tudo isso o aluno irá aprender no Curso para saber lidar com perfeição em cada uma das circunstâncias de uma Regressão, desde o seu início até o seu final. Escutamos relatos maravilhosos da subida, do Plano Astral, e, assim, a pessoa ficará sintonizada num momento muito bom ou ótimo, de libertação, e não logo após o trauma ou ao final daquela vida acessada, quando, geralmente, ainda sentia dor, medo, tristeza, solidão, raiva, insegurança, etc. 

As nossas memórias encontram-se em nossos corpos sutis e então incentivamos um relaxamento profundo (Meditação lúcida, consciente) na pessoa que vai regredir, para não sentir tanto o seu corpo físico, e em seguida incentivamos uma elevação de sua frequência, o que proporciona um mais fácil acesso aos seus Mentores Espirituais, que lhe oportunizam um retorno ao seu passado. O relaxamento é normal, a pessoa deitada, de olhos fechados, o ambiente com pouca luz, silencioso, a música em volume médio (ao início, depois baixamos para ela sentir-se mais no passado do que aqui), sentamos ao seu lado e vamos falando devagar, com voz baixa (mas não sussurrando), vamos entrando em sintonia com nossos Amigos Espirituais... com os teus Amigos Espirituais... pedindo a eles que estejam conosco... que te ajudem a encontrar no teu passado... fatos que ainda estejas sintonizado... solta teu corpo... relaxa a testa... os olhos... a boca... o queixo... todo teu corpo... como se fosse dormir... como se teu corpo fosse desaparecendo... etc., etc. Depois que percebemos que a pessoa está bem descontraída, bem relaxada, incentivamos a elevação de sua frequência, então vai subindo.......... subindo......... crescendo, te expandindo.......... te sente crescendo....... como um balão que vai inchando......... que vai inflando........... expandindo......... ocupando esse quarto (ou sala, ou ambiente) todo........ subindo........... crescendo........ te expandindo... e podes ultrapassar... ir para o céu......... para o infinito........... subindo........... subindo............ crescendo..........., etc. Geralmente, em 10 a 20 minutos a pessoa acessa uma encarnação passada ou um pós-vida.

Devido ao incentivo à elevação da frequência, a ocorrência de vivências no Plano Astral e o encontro com Mestres, Orientadores, parentes desencarnados etc., é muito grande. As pessoas descrevem o seu desencarne, a subida, a chegada ao Plano Astral, com a descrição das áreas de natureza, as pessoas de roupas claras, os Hospitais, muitas vezes palestras, aulas nas Escolas, Grupos de Estudo etc., e os relatos são extremamente semelhantes aos encontrados nos livros espíritas sobre o assunto. Falam nas colônias, cidades, o trabalho e o estudo realizado lá por seus habitantes, o processo de reencarnação, as reuniões, os Ministérios, os planejamentos das encarnações etc. 

A busca da evolução do nosso ego é de todos nós, mas o trabalho é individual, pois cada um veio melhorar características inferiores e superiores, e elas já manifestam-se desde a infância. A Psicologia tradicional, que inicia seu raciocínio na infância, não é a mais adequada para nós, reencarnacionistas, pois não responde as nossas perguntas, trabalha com uma premissa equivocada, que é a Formação da Personalidade, e com isso cria a figura da vítima e dos vilões. O nosso Espírito (uma micro-consciência divina) já animou inúmeros corpos, inúmeras personas, em inúmeras encarnações passadas, e em todas elas nós tínhamos uma personalidade. Nós não formamos nossa personalidade na infância, nós mostramos, desde o início aqui, quem e como somos, e os nossos pais, nosso meio ambiente e os fatos da infância e da vida, tendem a agravar ou a melhorar nossas características, tanto as positivas como as negativas.

Nós somos a continuação do nosso passado, e em nossa busca de evolução e crescimento consciencial, que é o retorno à lembrança da nossa perfeição, necessitamos viver algum tempo, de vez em quando, em um lugar inferior e imperfeito, onde as nossas próprias inferioridades e imperfeições virão à tona. E onde é esse lugar para nós? É aqui na Terra e, então, aqui estamos. Para pagar, para sofrer? Não, para nos re-purificarmos, para nos libertarmos do “excesso de peso”, criado por nós desde que aqui chegamos, que nos prende à força gravitacional desse planeta e ao Plano Astral desse planeta. Precisamos nos tornar mais “leves”, e isso só pode ocorrer se nos livrarmos das inferioridades que nos mantêm presos aqui, dos “pesos”, e é esse o trabalho que deve ser feito, essa é a missão da Psicoterapia Reencarnacionista.

E quem deve, ou precisa, submeter-se a uma Regressão ao seu passado? Os terapeutas de regressão costumam recomendar Regressão nas pessoas que têm medos, fobias, pânico, depressão etc., mas nós não somos terapeutas de regressão e sim psicoterapeutas reencarnacionistas, que utilizam a Regressão, e então todas as pessoas que nos procuram para Tratamento submetem-se à recordação de algumas de suas encarnações passadas, pois assim perceberão que têm sido muito parecidos como são atualmente nas suas últimas encarnações, encontrarão a sua Personalidade Congênita e, nela, a sua proposta de Reforma Íntima (Tratamento básico), o que irá facilitar a libertação do comando do seu ego sobre seu Eu divino (Tratamento avançado). 

Nós precisamos que os Mentores das pessoas mostrem para elas e para nós algumas de suas encarnações passadas. Eles nos dão a “pista” por onde deve seguir o Tratamento. Se mostram vidas passadas de tristeza, a Reforma Íntima é da tristeza, se mostram vidas de solidão, é de solidão, se mostram de orgulho, é de orgulho, e assim por diante. Mas, na verdade, os Mentores vão “descascando”, mostrando as encarnações passadas em que existiam as inferioridades do seu ego, que ainda existem hoje, mas aos poucos, novidades vão ocorrendo, novas revelações, novos insights, as pessoas vão se descobrindo, nós vamos acompanhando essas “Sessões de Telão”, vamos conversando sobre isso nas Conversas pós-Regressão, nas consultas, novas Regressões vão acontecendo, novas descobertas, é uma profunda investigação do passado, do que jaz oculto dentro do Inconsciente. É tudo muito simples e muito conscientizador, muito libertador, ao mesmo tempo. 

As sessões duram, em geral, cerca de 2 horas (Regressão propriamente dita + Conversa pós-Regressão), em que a pessoa revive fatos de uma, duas ou mais encarnações passadas, além dos períodos inter-vidas, onde acessa muitas informações importantíssimas para o seu real aproveitamento da atual encarnação. Pela herança católico-judaica em que estamos imersos, nos acostumamos a pensar que as nossas inferioridades são apenas o que faz mal para os outros, mas não é bem assim. Na verdade, na busca do nosso retorno à lembrança da nossa Perfeição, qualquer característica do nosso ego que não seja perfeita, é imperfeita, e então necessitamos curar não só o egoísmo, a agressividade, o autoritarismo, o materialismo etc., mas também a timidez, o medo, a fraqueza, a tristeza, a preguiça, a introversão etc.

Algumas pessoas tentam realizar uma Regressão sozinhas, sem acompanhamento de um terapeuta especializado, mas ao verem-se sendo queimadas numa fogueira, ou sendo enforcadas, guilhotinadas etc., conseguirão manter-se até o fim, até o desencarne, até subir para o Plano Astral, até o Ponto Ótimo, que é o que lhe libertará do trauma daquela situação? É necessário ir para a situação e sair dela, pois se a pessoa for para uma situação traumática do seu passado e, com o susto, voltar, estará reforçando ainda mais a sintonia, o que, obviamente, é contraindicado pois reforçará o que deve curar. O mesmo para quem arrisca a realizar Regressão pela Internet.